Loading...

domingo, 16 de junho de 2013

REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO
Alguns autores definem representação do conhecimento como a formalização e estruturação de conhecimento em um computador, de forma que ele possa ser manipulado pelo sistema gerenciador da base de conhecimento.
 
Esquema de Representação Baseado na Lógica
A lógica foi desenvolvida por filósofos e matemáticos como um processo de desenvolver inferências a partir de fatos.
Essa lógica utiliza os conectivos ∧ (e), ∨ (ou), → (se então), ↔ (se e somente se), ¬
(não) , além dos quantificadores universal ∀ (para todo) e existencial ∃ (existe um).
Com o uso dos conectivos lógicos podemos formular sentenças, assumindo valores verdadeiros ou falsos, que capturam parte da estrutura lógica de trechos de discurso e caracterizam fatos ou situações do domínio.
Com o uso dos quantificadores podemos representar afirmações sobre indivíduos e suas propriedades ou relações, ou seja afirmações sobre relacionamentos entre objetos e generalizações destes relacionamentos para classes de objetos.
 
Regras de Produção
o conhecimento é representado como uma coleção de regras do tipo se condição então ação. A condição estabelece o contexto para aplicação da regra. A ação corresponde a algum procedimento que acarreta uma conclusão ou mudança no estado corrente. O conjunto de regras de produção é visto como uma representação de conhecimento procedimental, baseada em lógica de primeira ordem.

Redes Semânticas e Sistemas de Frames
Redes semânticas


constituem uma classe de formalismos de representação de conhecimento que usamos nós para representar objetos, conceitos ou situações, ligados por arcos orientados. A ideia subjacente é que o significado de um conceito vem do modo como ele é associado a outros conceitos. Nós e arcos podem ser rotulados, formando um grafo rotulado direcionado.
 
Sistemas de Frames
Um sistema de frames (também denotado sistema de enquadramento) é uma coleção de locais onde armazenar conhecimento, em geral chamados de “slots” e valores a eles associados (e possivelmente restrições a estes valores) que descrevem alguma entidade do mundo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Biólogo não...

Biólogo não come, degusta. Biólogo não cheira, olfata. Biólogo não toca, tateia. Biólogo não respira, quebra carboidratos. Biólogo não tem depressão, tem disfunção no hipotálamo. Biólogo não admira a natureza, analisa o ecossistema. Biólogo não elogia, descreve processos. Biólogo não tem reflexos, tem mensagem neurotransmitida involuntária. Biólogo não facilita discussões, catalisa substratos. Biólogo não transa, copula. Biólogo não admite algo sem resposta, diz que é hereditário. Biólogo não fala, coordena vibrações nas cordas vocais. Biólogo não pensa, faz sinapses. Biólogo não toma susto, recebe resposta galvânica incoerente. Biólogo não chora, produz secreções lacrimais. Biólogo não espera retorno de chamadas, espera feed backs. Biólogo não se apaixona, sofre reações químicas. Biólogo não perde energia, gasta ATP. Biólogo não divide, faz meioses. Biólogo não faz mudanças, processa evoluções. Biólogo não falece, tem morte histológica. Biólogo não se desprende do espírito, transforma sua energia. Biólogo não deixa filhos, apresenta sucesso reprodutivo. Biólogo não deixa herança, deixa pool gênico. Biólogo não tem inventário, tem hereditário. Biólogo não deixa herdeiros ricos, pois seu valor é por peso vivo.